Carlos Brando

Nome do Jogo

Violência Urbana

482007031212261115alanafabiomotta12marw.jpgEu tenho medo de ir ao Rio de Janeiro. Antes de qualquer mal-entendido, quero dizer que isso não é uma critica ao estado do Rio de Janeiro, que eu não conheço e nem aos cidadãos que também são reféns da violência Urbana. Estou somente escrevendo do ponto de vista de quem acompanha os noticiários na TV. Talvez quem more no Rio sinta o mesmo medo de vir a São Paulo, conhecida por seus seqüestros relâmpagos e ataques do PCC. Não duvido que o Rio tenha uma beleza exuberante encontrada em raros lugares do mundo e nem que seus moradores sejam pessoas de bem e alegres, mas como não sentir medo de passar por exemplo minhas férias lá? Qual é o limite entre a violência de policiais e bandidos e a vida urbana de seus moradores? Hoje se completa uma semana que a estudante de apenas 12 anos de idade Alana Ezequiel foi baleada e faleceu. Confronto entre policiais e marginais. Da onde veio o tiro? Na mesma semana mais três pessoas perderam suas vidas pelo mesmo motivo: Uma bala perdida. Uma vida perdida.

Eu vivo sem saber até quando estou vivo… Sem saber o calibre do perigo, eu não sei da onde vem o tiro.

Como ficar impassível a morte brutal do menino João Hélio de seis anos de idade depois de ser arrastado por 7 km pelas ruas da zona norte do Rio? Pode ser um assunto repetitivo. Os programas da televisão já o debateram exaustivamente. De quem cobrar? O que podemos esperar? Vi em algum lugar alguém escrever que não deveria haver carnaval esse ano no Rio como uma expressão de luto por causa da violência. No entanto "comemoramos como idiotas, mais um fevereiro e feriado…”

Sei que parece tardio escrever sobre isso agora, mas não quis escrever antes para não ter meu raciocínio corrompido pelo sensacionalismo em histeria dos programas de noticiários policiais.

E você, também tem medo de ir ao Rio de Janeiro, ou discorda desse pensamento?

Comments