Carlos Brando

Nome do Jogo

Como estimar prazos precisos e imprecisos

Definir quanto tempo será necessário para finalizar uma tarefa ou o desenvolvimento de um software não é (ou pelo menos não deveria ser) algo trivial. Estimar prazos faz parte do nosso dia-a-dia como programadores.

O que muita gente não se dá conta é que a precisão com que um programador prevê a entrega de tarefas e projetos é um poderoso indicador do quão bom ele é.

Para informar de forma precisa o tempo necessário para a realização de algo em desenvolvimento de software é necessário que o programador possua uma certa experiência no assunto, tenha um bom domínio do negócio, seja rápido e produtivo.

Embora muitos de nós não apreciem essa difícil tarefa, estimar prazos é parte do nosso trabalho. Fazer isso bem pode ser a diferença entre um programador profissional e um amador.

Em um dia normal, estamos estimando prazos o tempo todo. Ao colocar a comida no micro-ondas você deve informar quantos minutos serão necessários para esquenta-la. Se você tem um horário fixo para acordar, deve analisar quantas horas de sono serão suficientes e então decidir quando deve ir para a cama.

O segredo não está no tempo, mas em quão precisa deve ser a sua estimativa. Se seu chefe pergunta que horas você entregará o relatório amanhã, ele quer ter uma ideia se será antes ou depois do almoço. Se ele lhe pergunta quanto tempo será necessário para resolver um bug critico e colocar o sistema de volta em produção ele precisa de uma precisão maior.

A escala de tempo é muito importante ao se estimar prazos. Por exemplo, você pode dizer “O projeto será entregue em 25 dias” ou pode dizer “O projeto será entregue em cerca de 5 semanas”. Embora ambas as frases indiquem o mesmo tempo, o efeito sob cada uma delas pode ser diferente. Ao dar a primeira resposta, seu cliente provavelmente anotará na agenda dele o dia exato em que você entregará o projeto. Por outro lado, a segunda resposta fará com que ele lhe procure a qualquer momento daqui a 4 ou 6 semanas.

O livro The Pragmatic Programmer dá uma importante dica que nos ajuda a escolher a escala de tempo apropriada ao estimar prazos. Veja a tabela:

1-15 dias    -> dias
3-8 semanas  -> semanas
8-30 semanas -> meses
30 + semanas -> pense bem antes de dar uma estimativa

Qual a vantagem disso? O fato é que quanto maior o tempo, mais difícil é a previsão, exigindo que você seja cada vez mais impreciso. Por exemplo, se sua estimativa é que serão necessários 125 dias para terminar um trabalho, é muito mais seguro dizer que precisará de “cerca de 6 meses” para finaliza-lo.

Todas as estimativas que fazemos são baseadas em nossas experiências passadas. Mas, o que fazer quando é necessário estimar algo que você nunca fez ou que não conhece? A resposta é simples: “não estime”. É melhor pedir para que alguém que já tenha feito algo semelhante lhe dê uma ideia do tempo necessário.

Além de considerar o grau de precisão, também é importante entender qual é o problema antes de começar a chutar um tempo. Quase sempre nossas estimativas dependem de outros fatores para darem certo: “Supondo que não haja trânsito dá para chegar aí em 20 minutos”.

Se possível é muito útil testar alguns aspectos do projeto antes de dizer quanto tempo será necessário para cumpri-lo. Se o sistema precisa ser carregado dentro do Facebook, seria muito bom poder gastar um tempo criando alguma coisa bem simples para esta plataforma afim de analisar o grau de complexidade, isto sem dúvida aumentará a precisão da estimativa.

É muito importante levar em consideração que a equipe, sua produtividade e o ambiente afetam diretamente sua estimativa.

Analisando todos estes fatores, a conclusão é que há apenas uma única resposta correta a se dar quando lhe é pedido para estimar um prazo: “Me dê algum tempo para pensar”. Você sempre terá resultados melhores se retardar a resposta e pensar um pouco mais.

Comments